Banner Blog

Revolucione seu conhecimento.

Avaliação de Startups: o que é e como fazer?

Como vimos diversas vezes aqui no Blog, a avaliação de empresas pode e deve ser feita através de diversos métodos de forma a garantir que o resultado encontrado seja o mais próximo possível da realidade. Mas quando estamos falando de avaliação de startups, como devemos proceder com este cálculo? Como entender qual o melhor método, dentre essas diversas formas de avaliar empresas com potencial imenso, mas, em geral, com baixo ou nenhum faturamento?

É sobre isso que vamos tratar no artigo de hoje: os principais métodos usados na hora de fazer a avaliação de startups.

Então vamos lá? Boa leitura!

Antes de entender sobre a avaliação de startups, o que é uma startup?

Como vocês sabem, a BuyCo. empresa fundada por sócios com mais de 10 anos de mercado em avaliações de empresas, perícias, M&A e auditoria em empresas públicas e privadas. Além disso, somos uma startup. Você sabe o que é isso?

O termo startup, apesar de novo, está cada vez sendo mais usado e difundido, porém, poucos sabem o que é, de fato, uma startup.

O termo surgiu nos EUA e se popularizou no Brasil a partir da bolha das empresas ponto-com, entre os anos de 1996 e 2001. Tal bolha fez com que as ações das novas empresas focadas e TIC alocadas na internet ficassem em alta. Assim, startup passou a definir o grupo de pessoas que trabalham em ideias de negócios diferentes e com alto potencial de crescimento.

Startup pode ser entendida como uma empresa com alto potencial de escalabilidade apoiado pelo uso da tecnologia em um produto ou serviço pouco explorado ou feito de forma diferente do mercado tradicional. Ao observar a etimologia da palavra, ela é sinônimo de iniciar algo e colocar em operação.

Hoje, o conceito mais atual e aceito é: grupo de pessoas a procura de um modelo de negócio inovador, repetível e escalável, que trabalham em condições de extrema incerteza e com soluções a serem feitas. Legal, não é mesmo?

Destrinchando esses conceitos para entender a avaliação de startups:

ilustracao-de-degraus-ate-uma-lampada-que-representa-a-startupModelo de negócio refere-se a como um negócio opera para gerar valor para o cliente ao solucionar problemas e para a empresa que busca rentabilidade;

– Inovação refere-se a criação de um produto, serviço ou modelo de negócio novo ou pouco explorado e superior ao que era feito até então para solucionar problemas. É por isso que muitas das startups usam tecnologia e recursos digitais, mas o conceito não se limita a isso, ok?;

– Repetível representa a capacidade de entregar o mesmo produto ou serviço em escala ilimitada sem muitas customizações ou adaptações. Isto é, é possível replicar/reproduzir de forma simples;

– Escalável refere-se a crescer cada vez mais sem que isso influencie no modelo de negócio, podendo atingir uma massa de consumidores a custos baixos;

– Cenário de incerteza significa que não há garantias de que o modelo de negócios vai dar certo. Por isso, quando pensamos em startups, pensamos em capital de risco e pivotagem, por exemplo.

Entendeu tudo? Ótimo! Então vamos seguir com o artigo!

Como fazer a avaliação de startups?

Se já é complexo responder perguntas para determinar o valor de empresas tradicionais, pois existem alguns fatores intangíveis (algo que não se pode mensurar) como a reputação e a marca, vamos imaginar o desafio que é avaliar uma empresa nascente ou ideia inovadora?

Se pararmos para analisar os modelos de avaliação tradicionais de empresas, estes usam como premissas os dados históricos e tendências baseadas nos produtos e serviços que comercializam. E como fica a avaliação de startups que, por serem nascentes, não têm estes dados?

É por isso que criamos este artigo, para pensarmos um pouco na complexidade que é avaliar uma startup, mas, também, na importância desse processo. Afinal, o Brasil é um dos 10 países que mais cria startups no mundo. Por isso, precisamos aprender os métodos mais adequados para determinar o valor de uma startup. Isso é importante para os fundadores da startup, para sua gestão e acompanhamento da evolução, ou no momento de captar recursos e investidores a um valor justo, como também, para fornecer parâmetros e dados para pessoas interessadas em investir.

Como vimos em conteúdos anteriores, para se avaliar uma empresa tradicional usa-se os métodos: o fluxo de caixa descontado, os múltiplos de mercado e o método contábil. No caso das micro e pequenas empresas, surgiu o Método BuyCo., criado para avaliar pequenos negócios maduros.

Recapitulando os métodos tradicionais de avaliação de empresas

O Fluxo de Caixa Descontado

foto-de-pessoa-com-tablet-nas-maos-com-graficos-que-representam-o-fluxo-de-caixa-uma-das-modalidades-de-avaliar-empresasO fluxo de caixa descontado é um dos métodos mais usados para avaliar empresas. Sua projeção é feita considerando o histórico de crescimento da empresa e o comportamento das receitas, despesas e custos ao longo dos anos anteriores para criar os cenários dos anos futuros.

Porém, as projeções para usar o fluxo de caixa se baseia em premissas que já passaram por um processo de conhecimento e validação. Isso não se aplica à avaliação de uma startup, já que não há nenhum dado histórico para servir de referência, apenas o potencial de escalabilidade do negócio.

O Método dos Múltiplos

O método dos múltiplos também se aplica muito para avaliar empresas. Por meio dele, compara-se o valor da empresa com o valor de outras empresas semelhantes, considerando dados históricos de transações recentes ou a avaliação de empresas similares que estão nas bolsas de valores. De novo, este método não se aplica à avaliação de startups que são novas e inovadoras e, portanto, não são comparáveis.

O Método Contábil

Já a avaliação pelo método contábil, também muito conhecida e usada, busca calcular o valor dos ativos da empresa como edificações, instalações, maquinários, entre outros. Esse método é útil em situações em que há um valor tangível e imobilizado considerável e representativo. Porém, esse não é o caso das startups em que seu maior valor se concentra em seu potencial de crescimento e em fatores intangíveis.

O Método BuyCo.

Por fim, o nosso método próprio, o Método BuyCo., que é aplicado e direcionado para pequenos negócios em operação. Criamos um algoritmo de inteligência artificial com base na análise de 54 perfis de empresa e a ponderação de 5 métodos. São elas: Base Zero, Valor do Ponto Comercial, Expectativa de Retorno, Fluxo de Caixa (sem aplicar perpetuidade) e Múltiplo Setorial para as pequenas empresas já maduras (o que as difere das startups que ainda são nascentes). Clique aqui para saber mais.

QUERO SABER QUANTO VALE MINHA EMPRESA!

Caso sua empresa tenha um porte maior, não se preocupe. A BuyCo. já criou soluções para te atender. Quer saber mais? Então é só clicar aqui e entrar em contato!

E aí, como ficam as startups? É isso que veremos agora mesmo!

E a avaliação de startups, como fica?

foto-de-parede-com-desenhos-sobre-startup-para-simbolizar-as-metodologias-de-avaliacao-de-startupsVoltando às startups, percebemos que não é possível avaliá-las usando qualquer um dos métodos citados, já que não existem dados históricos, nem comparativos e, muito menos, patrimônio relevante. Já que o negócio não tem dados suficientes para permitir uma avaliação pelos métodos tradicionais, o que fazer? Complexo, não é mesmo?

Para piorar, ainda devemos considerar os riscos envolvidos, já que uma grande morte atinge startups por serem algo novo em um ambiente de incertezas. São conceitos inovadores que podem ter aceitação ou não. E, infelizmente, a grande maioria não prospera. Por isso, o risco é um enorme componente que devemos avaliar e que interfere muito no valor da startup.

Assim, o valuation de uma startup envolve a análise de diversos fatores, junto com projeções econômico-financeiros e expectativas de investidores e interessados e com uma análise subjetiva sobre incertezas.

Por isso, os cálculos para avaliar startups requerem estratégias muito especializadas de valuation, pois estas empresas podem crescer muito rápido ou não prosperar, afinal, estão em cenários de extrema incerteza.

Existem alguns métodos que ainda contam com um grande grau de subjetividade, mas buscam fazer a avaliação de startups. Vamos destacar abaixo os mais usados por fundos de investimentos ou análise para investimentos anjo.

Os Métodos de Avaliação de Startups

O Método de Venture Capital

O método de Venture Capital ou método do capital de risco é um dos mais usados, principalmente, pelos fundos. Foi criado na Universidade de Harvard e busca encontrar o valor da startup sob a ótica do investidor. Por óbvio, investidor está em busca de retorno, certo? Além disso, todo investidor sabe que, a cada 10 empresas investidas, 9 não irão dar retorno. Por isso, a que der resultados deve compensar o prejuízo das demais, ou seja, deve retornar pelo menos 20X para compensar as demais.

O método busca responder quanto o potencial investidor vai ter a médio ou longo prazo se investir na startup hoje. O investidor então traça o seu horizonte de saída, isto é, quando ele irá se retirar da empresa. Com isso em mente, projeta-se o resultado para aquele período, além do valor e das diluições esperadas pela empresa. Então, a partir destes dados, o investidor determinará se vale a pena e qual o valor de sua participação na startup. Esse método se aplica para startups que faturam ou não em suas fases pré-operacionais.

Como vimos, os princípios básicos para esse método se dão no retorno para o investidor. Com isso, a desvantagem é que ele desvaloriza a startup em prol do investidor.

Entendeu tudo? Ótimo! Então vamos para o próximo!

O Método First Chicago

foto-de-tres-carinhas-uma-triste-uma-feliz-e-uma-meio-termo-para-ilustrar-cenario-otimista-pessimista-e-moderado-como-um-dos-metodos-de-avaliacao-de-startupsO método First Chicago tem origem no Banco First Chicago e calcula o valor de uma startup com base na projeção de 3 cenários de valor, sendo o primeiro o cenário mais pessimista, o segundo, o mais provável e o terceiro o mais otimista.

 

Nos três casos, as projeções são feitas calculando o fluxo de caixa estimado para os próximos anos e sua perpetuidade e os trazendo a valor presente através de uma taxa de desconto que considera o risco e as perspectivas de mercado. Parece semelhante ao fluxo de caixa descontado, não é mesmo?

Com isso em mente, atribui-se um percentual que cada um desses 3 cenários tem para acontecer, ou seja, suas probabilidades. Para chegar ao valor final, deve-se fazer a média destes 3 cenários.

Sendo assim, o método garante uma segurança em relação ao valor que a startup pode ter no futuro e diminui o impacto das incertezas, sendo mais aplicado a empresas que já têm faturamento.

Entendeu tudo? Ótimo! Então vamos para o próximo!

O Método Berkus

O método Berkus calcula o valor de uma startup baseado em cinco fatores. São eles: valor básico da ideia (quanto melhor a ideia, maior o valor), o protótipo ou tecnologia existente, o time gerencial de qualidade para execução, as relações estratégicas e a capacidade de produção e venda.

Na hora de calcular, cada um destes fatores terá um valor máximo em função da projeção de receita e dos resultados esperados para a startup no momento de saída. Esse método busca avaliar a empresa de acordo com a diminuição dos riscos de implementação do projeto. Quanto mais a startup estiver pronta em cada um dos critérios acima, maior será seu valor. Por isso, além de gerar o valor da empresa, este método mostra o que ainda carece de melhorias.

Apesar de ser um método simples e muito conveniente, em geral, aplica-se apenas em startups que tem potencial de alcançar 20 milhões de dólares de faturamento no 5º ano e por empresas que ainda não têm faturamento e estão na fase pré-operacional.

Como vimos, o foco desse método é considerar o valor da ideia, da tecnologia, do time, do networking e da capacidade de vendas. Porém, ele carrega alta subjetividade na avaliação desses critérios e ignora algumas variáveis, como mercado e concorrência.

Entendeu tudo? Ótimo! Então vamos para o próximo!

O Método de Avaliação de Fatores de Risco

foto-de-grafico-decrescente-simbolizando-a-analise-de-riscos-como-uma-das-formas-de-avaliacao-de-startupsComo evolução do método Berkus, surgiu o método de Avaliação de Fatores de Risco aplicável a empresas que ainda não têm receita.

Neste caso, deve-se determinar o valor inicial da startup e o ajustar com base em 12 riscos inerentes às startups. São eles: risco gerencial, estágio do negócio, risco político (legislação), risco de produção, risco sobre as vendas, risco de financiamento, risco de competição, risco de tecnologia, risco de litígio, risco internacional, risco de reputação e potencial de saída lucrativa.

O valor inicial é determinado pelo valor médio de empresas semelhantes e os fatores de risco são modelados como múltiplos de valores a serem deduzidos, com notas que variam de +2 se a empresa está bem protegida, ou -2, caso contrário. Para cada ponto, soma-se/diminui-se do valor de partida R$250.000,00. Um dos problemas é encontrar dados abertos de empresas similares para comparar.

Entendeu tudo? Ótimo! Então vamos para o próximo!

O Método Scorecard

O método Scorecard representa uma abordagem mais analítica para a avaliar uma startup e, em geral, aplica-se em empresas que ainda não têm receita, mas estão em operação. Para calcular, primeiro é determina-se um valor inicial para a startup que se ajusta de acordo com um conjunto de critérios conforme o seu impacto no sucesso do projeto.

Ficou parecendo o método de avaliação de fatores de risco, não é mesmo? O que os difere é que os critérios são ponderados de acordo com seu impacto no sucesso e não com base nos riscos.

O valor inicial pode ser obtido através de uma média das avaliações destes aspectos que serão multiplicados pelo valor inicial obtido antes do investimento ofertado na 1ª rodada de negociação da startup para a captação de recursos, ou por investidores anjo e fundos de Venture Capital.

Consideramos e ponderamos como critérios para a avaliação: a capacidade do time, a tecnologia, o tamanho do mercado e a competição. Cada fator recebe uma nota que irá gerar um multiplicador ou peso, e este será aplicado ao valor inicial do negócio.

O foco deste método está na valorização do time, da tecnologia, do mercado e da competição, porém, mais uma vez, ele carrega alta subjetividade e subestima o fluxo de caixa potencial.

Entendeu tudo? Ótimo! Então vamos para o último!

O Método Comparable Transactions

foto-de-balanca-para-ilustrar-a-comparacao-como-forma-de-avaliacao-de-startupsO método Comparable Transactions ou de transações comparáveis é similar ao método dos múltiplos que vimos acima. Nesse caso, identifica-se um índice típico do negócio para procurar transações similares com o objetivo de chegar a um valor a partir da comparação proporcional das empresas.

Para simplificar, entenda esse método como uma regra de 3 em que você precisa encontrar um índice que seja uma boa aproximação para o valor da startup. Vale ressaltar que a escolha dos parâmetros e das empresas comparáveis é um fator crítico para determinar o valor.

Vale ressaltar que esses índices, em geral, aplicam-se em startups que já estão em operação e têm receitas, mas também se aplicam para as que não estão faturando. Este índice pode ser a receita recorrente, o número de usuário, o tamanho da rede social, o número de pontos comerciais, ou mesmo índices financeiros ou dados sobre investimentos anjo.

Esse método permite a aplicação mesmo na fase das ideias da startup, mesmo que ela ainda não fature. Nesse caso, a base de comparação é o valor de venda de outras startups na mesma fase inicial.

Como desvantagem, o método tem problema de encontrar dados sobre transações comparáveis e negócios similares. Além disso, ele subestima o fluxo de caixa potencial e carregar certa subjetividade na escolha das comparações.

Qual método de avaliação de startups escolher?

Da mesma forma que acontece nas avaliações de empresas tracionais, não há um método ideal, apenas aquele que melhor retrate a realidade da empresa. Os métodos citados para avaliar startups carregam certa subjetividade e um pode funcionar muito bem para uma startup, mas não ser o ideal para outras. Afinal, valuation não é uma ciência exata, não é mesmo?

O melhor método será aquele útil para o desenvolvimento da empresa e que atenda todas as suas especificidades, como também, as expectativas das partes. O ideal é chegar a um bom termo que permitirá o crescimento exponencial do negócio. Afinal, esse é um dos grandes objetivos das startups, não é mesmo?

anunciar-minha-empresa

Como anunciar minha empresa para a venda?

Múltiplo de EBITDA: o que é e como usar no Valuation

Fluxo de Caixa Descontado (FCD): o que é, para que serve e como calcular